Banda Mole agita o pré-carnaval de Belo Horizonte

Posted on 22/02/2014

0


Tradicional evento reuniu mais de 50 mil pessoas no centro da capital

Evento foi marcado por muita animação / Daniel Marcos

Evento foi marcado por muita animação / Daniel Marcos

A Banda Mole levou mais de 50 mil pessoas ao centro de Belo Horizonte no último sábado, 22. Como já é tradição na cidade, há 39 anos, o famoso bloco anunciou a chegada do carnaval mineiro. Neste ano, os foliões puderam curtir a festa ao som do axé da cantora Sarajane e das bandas Raga Mofe e Melanina Carioca. Como não poderiam faltar, as marchinhas também ditaram o ritmo da festa.

A programação também contou com a participação da Banda do Bororó, tradicional charanga que puxa os foliões ao som de históricas marchinhas de carnaval, e o Bloco Reciclo Asmare Cultural. Os participantes puderam se divertir, também, atrás de três
trios elétricos que passavam pelo circuito da Avenida Afonso Pena, entre as ruas da Bahia e Guajajaras.

“A gente espera todos os anos pela Banda Mole. É o melhor evento de carnaval da cidade. E, parece que dessa vez, vai ser ainda mais animado”, disse a publicitária Marcella Silva. Ao lado do grupo de amigos, ela já se preparava para a festa desde o início do mês. “É programação que a gente coloca na agenda e chama os amigos. Ninguém pode furar. A Banda Mole é muito boa, e eu acho que todo mundo tem que aproveitar do começo ao fim”.

Foliões apostaram na criatividade para elaborar  as fantasias / Daniel Marcos

Foliões apostaram na criatividade para elaborar as fantasias / Daniel Marcos

A contadora Fernanda Oliveira já pulou muitos carnavais em outras
cidades, principalmente no litoral da Bahia, foi lá, por sinal, que conheceu a cantora Sarajane, que fez sucesso na década de 1980 com a canção “A Roda”. Dessa vez, Fernanda resolveu ficar em Belo Horizonte e trouxe o filho Gustavo, de 16 anos, para acompanhar a folia. “Eu dancei muito ao som da Sarajane. Espero que o Gustavo também goste dela. Fez parte da minha juventude”, apontou.

Para o professor Ricardo Abreu, a cada ano, a organização da Banda Mole se supera. Segundo ele, a segurança da festa chama a atenção dos foliões e garante um dia de diversões mais tranquilo. “O bacana é que a gente pode trazer as crianças e não se preocupar com roubos e brigas. Está tudo muito bem seguro, e isso nos dá mais tranquilidade para curtir o carnaval”, argumentou.

Fundada em 1975 por um grupo de foliões do extinto bloco “Leões da Lagoinha”, a “República Independente da Banda Mole”, associação lítera-etílica-carnavalesca sem fins lucrativos, teve o objetivo de resgatar os antigos carnavais de rua da cidade. Desde então, gratuidade para quem quiser participar, animação, crítica político-social e liberdade nas fantasias são as únicas exigências.

Em seu primeiro desfile a Banda saiu com aproximadamente 100 pessoas por uma banda de chão e instrumentos de sopro. A iniciativa foi crescendo e, no ano de 1995, mais de 400 mil pessoas foram à rua, animadas por 14 trios elétricos (e em um deles a banda baiana Araketu, maior atração nacional da época) para pular carnaval com a Banda Mole. O desfile, que originalmente subia a Rua da Bahia teve, há nove anos, o seu trajeto transferido para a Avenida Afonso Pena, por questões de segurança.

Anúncios
Posted in: Diversão